友情提示:本站已经不再是南强考网,请知晓。

用葡萄牙语讲述历史 8

全国等级考试资料网 2019-01-23 08:05:37 5

Antecedentes do conflito.

O assassínio do Arquiduque Francisco-Ferdinando, herdeiro do trono austro-húngaro, a 28 de junho de 1914, em Sarajevo, capital da Bósnia-Herzegovina, motivou a explosão de um processo que se vinha formando na península balcânica desde o princípio do século e no qual estavam envolvidos também conflitos de interesses entre grandes potências européias. O crime foi atribuído a uma conjura urdida na Sérvia, à qual a Áustria então enviou um ultimato em 23 de julho, fazendo exigências descabidas e ofensiva à sua condição de Estado livre e soberano. Não obstante, inclinava-se o governo sérvio a aceitar algumas das condições impostas, quando o ambiente se tumultuou com a intervenção de outros governos aparentemente interessados na questão em razão da vigência de tratados que mantinham com os litigantes.

No dia 26 de julho, a Áustria, mudando bruscamente sua atitude conciliatória, declarou guerra à Sérvia, precipitando os acontecimentos. No dia seguinte, a Rússia mobilizou em parte os seus exércitos, como resposta aos movimentos das forças austríacas na fronteira da Galícia, e a Alemanha exigiu do governo de Moscou o fim da mobilização e dos preparativos militares. A 1º de agosto, os alemães iniciaram o estado de beligerância contra os russos. Dois dias depois estendeu-se à França, a pretexto de que aviões franceses haviam lançado bombas sobre Nuremberg e Carlsruhe. Com a violação da neutralidade do Luxemburgo e da Bélgica no dia 4 pelas tropas alemãs em marcha para a França, a Inglaterra também entrou no conflito. O quadro da guerra ficou assim definido: de um lado a Alemanha e a Áustria; de outro a Rússia, a França, a Inglaterra, a Bélgica, a Sérvia, o Montenegro e o Japão.

As operações militares desenrolaram-se em terra, no mar e pela primeira vez, no ar, em território belga, e estenderam-se pela França, pela Europa oriental, pela Ásia Menor e pelo Extremo Oriente, até que em abril de 1917 os Estados Unidos da América, reagindo à campanha submarina indiscriminada dos germânicos contra os navios de nações neutras, entraram na guerra com o peso de sua riqueza, de sua atividade, de sua organização e de seu prestígio.

O Brasil e o conflito.

Fiel à Convenção de Haia, o governo brasileiro estabelecera sua conduta de nação neutra. Esta situação estabelecia para nós o direito de sermos respeitados pelas potências em guerra. Nosso país mantinha com os povos teutônicos cordiais relações iniciadas ainda no período colonial. O primeiro ato diplomático fora assinado em 8 de abril de 1815 – um tratado de aliança entre Portugal e Prússia. Já independente, firmara o Brasil em 1827 com esse país um tratado de comércio. A 29 de novembro de 1890 reconhecia a Alemanha a República brasileira. Finalmente, estabelecera-se uma convenção postal em 1910.

Uma proclamação alemã que restringia a liberdade marítima dos países neutros sensibilizou a opinião pública brasileira e propiciou a decisão de dar apoio à causa aliada.

Cada vez mais se complicavam os problemas oriundos da guerra. Embora partidário da neutralidade absoluta, o Presidente Wenceslau Braz não podia permanecer indiferente quando se multiplicavam as provas de intervenção subreptícia da Alemanha, com violações dos portos nacionais para reabastecimento de cruzadores disfarçados em navios mercantes, incentivo a greves operárias e tentativas de mobilização das colônias povoadas por elementos de origem germânica.

Rompimento de relações diplomáticas e declaração de guerra do Brasil.

No dia 3 de abril de 1917, o Brasil foi atingido inopinadamente por uma agressão, quando às 23:30 horas, navegando no Canal da Mancha a cerca de 10 milhas de costa ocidental da França, o navio mercante brasileiro Paraná, de 6 mil toneladas, pertencente à Companhia Comércio e Navegação, foi torpedeado e posto a pique. Na ocasião o navio ia em marcha reduzida, com todas as luzes regularmente acesas, ostentando em lugar iluminado e bem visível o nome de nosso país, com a bandeira nacional e o distintivo da empresa proprietária içados, como é de praxe entre os navios neutros. Depois do torpedeamento ainda foram disparados cinco tiros de canhão sobre a embarcação.

Nossas relações diplomáticas com a Alemanha foram interrompidas a 11 de abril, porém mantida a neutralidade. A fim de evitar qualquer dúvida, o governo brasileiro, em nota enviada a todos os países, caracterizou sua linha de ação:

“(...) Se até agora a relativa falta de reciprocidade por parte das repúblicas americanas tirava à doutrina de Monroe o seu verdadeiro caráter, permitindo uma interpenetração menos fundada das prerrogativas de sua soberania, os acontecimentos atuais, colocando o Brasil, ainda agora, ao lado dos Estados Unidos, em momento crítico da história do mundo, continuam a dar à nossa política externa uma feição prática de solidariedade continental, política, aliás, que foi também a do antigo regime, toda vez que tem estado em causa qualquer das demais nações irmãs e amigas do continente americano. (...)·"

Outros navios mercantes nacionais foram torpedeados, como o Tijuca, o Macau, o Acari, o Guaíba e o Tupi, o que levou o Congresso, de pleno acordo com o Executivo, a reconhecer pelo Decreto nº 3.361, de 26 de outubro de 1917, o estado de guerra entre a Alemanha e o Brasil. Enfatizou-se a colaboração do Brasil com os Aliados. Votaram-se imediatamente medidas que decorriam da nova situação.

Além das circunstâncias materiais que forçaram o curso da política do Brasil, antigas normas diplomáticas, muitas ditadas por Rio Branco, aconselhavam o governo a agir dessa maneira. Integrava-se o nosso país, com essa atitude histórica, ao lado dos que já vinham se batendo por dias melhores para a humanidade. Rui Barbosa foi um dos que enfatizou a necessidade de definição do governo brasileiro diante das agressões sofridas. Em um de seus discursos afirmou: "A luta, inicialmente, circunscrita entre os impérios centrais e um certo número de Estados europeus, perde o seu caráter primitivo para assumir o aspecto de um conflito declarado entre os princípios da democracia moderna e os princípios da velha autocracia condenada."


相关资料

相关阅读

精选葡萄牙语